Congresso Catarinense de Obstetrícia e Ginecologia

Página Inicial » Inscrições Científicas » Trabalhos

Dados do Trabalho


Título

ADAPTAÇÃO TRANSCULTURAL E AVALIAÇÃO PSICOMÉTRICA DA ESCALA DE AUTOEFICÁCIA DA AMAMENTAÇÃO EXCLUSIVA (BSES-EBF) EM PUÉRPERAS NO BRASIL

Introdução

A amamentação exclusiva durante pelo menos seis meses exerce profunda relação com a prevenção do desenvolvimento de doenças, além de possuir relação com o desenvolvimento cognitivo do bebê. Ademais, a amamentação também possui benefício a longo prazo para as mães. (BINNS; LEE; LOW, 2016). Assim, questionários são utilizados como instrumentos para reconhecer os riscos de não adesão ao processo de aleitamento exclusivo ou da interrupção prematura dessa prática.
O objetivo deste estudo foi proceder a adaptação transcultural da Escala de Autoeficácia da Amamentação Exclusiva (BSES-EBF) para a língua portuguesa e avaliar suas propriedades psicométricas na população feminina brasileira

Material e Método

Trata-se de um estudo de tradução, adaptação transcultural e análise psicométrica para validação da Escala de Autoeficácia da Amamentação Exclusiva (BSES-EBF), desenvolvida em Uganda (BOATENG 2019). A escala original foi traduzida por 2 tradutores independentes, submetida a avaliação de um comitê de especialistas. O total de 9 perguntas resultou em uma amostra de 90 pacientes que responderam o questionário em duas ocasiões, com intervalo de 15 dias entre elas.

Resultados

O processo de adaptação transcultural proporcionou a proposição de uma versão da escala BSES-EB para o português brasileiro, denominada Escala de Auto Eficácia da Amamentação - Amamentação Exclusiva (BSES-EB-Brasil).
A técnica do teste-reteste demonstrou moderada estabilidade, com o coeficiente de correlação de Pearson de 0,483 (p<0,001) e com o coeficiente de correlação intraclasse (CCI) de 0,645 (IC95% 0,335–0,810) (p<0,001).
A BSES-EB-Brasil apresentou alfa de Cronbach geral de 0,849. O alfa de Cronbach do instrumento identificou valores próximos ou acima de 0,810, demonstrando boa consistência interna na manutenção de todos os itens do instrumento proposto.

Discussão e Conclusões

A escala proposta é compreensível e adequada ao contexto cultural brasileiro, confiável e válida para ser aplicado em puérperas brasileiras. Acredita-se que seu uso possa auxiliar na identificação de puérperas com baixa confiança em sua capacidade de amamentar e permita que medidas de estímulo possam ser reforçadas.

Palavras Chave

BINNS, C.; LEE, M.; LOW, W. Y. The long-term public health benefits of breastfeeding. Asia-Pacific Journal of Public Health, v. 28, n. 1, p. 7–14, 20. 2016.

BOATENG, G. O. et al. Adaptation and psychometric evaluation of the breastfeeding self-efficacy scale to assess exclusive breastfeeding. BMC Pregnancy and Childbirth, v. 19, n. 1, p. 73, 18. 2019.

Arquivos

Área

Obstetrícia

Autores

LIA KARINA VOLPATO, LAURA SCHUCK GUGEL, GABRIELLE KUNTZE RENGEL, RODRIGO DIAS NUNES, JEFFERSON TRAEBERT